O SUMIÇO DAS CRIANÇAS – PARDAIS

3º LUGAR – PRÊMIO SESC – DF – CRÔNICAS RUBEM BRAGA – 2013

 

O SUMIÇO DAS CRIANÇAS- PARDAIS

 

Nasci e cresci numa vila periférica, proletária. Suas ruas sem calçamento liberavam poeira nos dias calorentos e muita lama nos chuvosos. Vira-latas misérrimos perambulavam de um lado para o outro, à procura de algum resto de comida.  As casas eram separadas por cercas precárias, feitas de taquaras, ripas e arame farpado. Pobres e pequenas casas sem reboco, sempre por acabar, sempre esperando por uma reforma ou ampliação que nunca chegavam…

Os terrenos baldios proliferavam e emprestavam-se para abrigar provisórios depósitos de lixo e entulho. Outros tinham mais sorte e, cuidados por mãos laboriosas, tornavam-se hortas e plantações de milho ou mandioca. Esses terrenos baldios eram a poupança de famílias mais abastadas que os compravam e os deixavam lá, esperando valorização. Alguns desses terrenos, os mais privilegiados, serviam de playground para a criançada da vila. Viravam improvisados campos de pelada, território das lendárias partidas de taco, das batalhas antológicas com sementes de mamona, épicas partidas de queimada, brincadeiras de roda, campeonatos interplanetários de bolinha de gude, enfim, eram um universo paralelo de diversão naquela vida sofrida do subúrbio!

Ao longe, do alto do morro, avistávamos a linha do trem: R.F.F.S.A. (Rede Ferroviária Federal S.A), que levava os exércitos de trabalhadores em vagões superlotados para trabalhar na capital; pais e mães que saíam de madrugada e só voltavam ao anoitecer, deixando aquela criançada aos cuidados de vizinhos samaritanos, tias, avós ou à própria sorte!

Aquelas crianças encardidas, malvestidas, despenteadas eram os pardais da periferia: as crianças-pardais. Eu fui uma delas. Sem a beleza das crianças das propagandas da televisão, nossa única beleza residia nos sonhos que materializávamos em nossas brincadeiras. Tão pobres e esquecidos no mundo, tão cheios de imaginação!

As crianças-pardais guardavam, em recantos secretos, uma gama enorme de tesouros: bolinhas de gude, figurinhas, tampinhas de garrafas de refrigerante, moedas fora de circulação, insetos exóticos e já mortos, e muitas outras preciosidades infantis.

A felicidade era o nosso tesouro mais precioso, mas ainda não sabíamos… Ah, de quanta felicidade é feita a trama da infância! A nossa infância de crianças-pardais foi tecida por fios de ouro, saídos de corações maternos e paternos que nos zelavam e enfrentavam toda sorte de vicissitudes para nos sustentar, material e espiritualmente, e para nos garantir saúde e educação em tempos de angustiantes incertezas no Brasil.

Fomos livres, fomos sonhadores: piratas, caçadores, astronautas, atletas, guerreiros medievais!  Tivemos ilhas de Mata Atlântica que resistiam no Alto Tietê! Conhecemos o rio Guaió ainda virgem! As raras bicicletas daquele tempo nos levavam para aventuras que ficavam além do tempo e do espaço! Descalços, desprovidos de beleza, de refinamentos, mas felizes!

Hoje, quando volto para a minha terra, encontro ruas pavimentadas, congestionadas por automóveis e motocicletas nervosos, que me amedrontam!

Aquelas antigas e pequenas casas estão diferentes, ampliadas e melhoradas, são cercadas por altos muros, enfeitados com pregos, cacos de vidro e lanças pontiagudas. Câmeras vigiam a entrada das residências e dos comércios. O medo passeia pelas vias sem ter medo de nada!!!

Os quintais quase que desapareceram. Nos portões, sempre trancados, aparecem cães enormes, donos de bocarras assustadoras. Tão diferentes dos frágeis vira-latas que conheci nos meus tempos de criança!

Modestos condomínios de prédios suburbanos enfileiram-se, como florestas de aço e concreto, acinzentando o horizonte. Em suas janelas aparecem estranhas crianças, desprovidas da alegria natural e da feiura graciosa das crianças-pardais. Pobres crianças do século XXI, prisioneiras de apartamentos e quintais cimentados e gradeados, reféns da tecnologia e do medo. Têm uma vida cheia de tudo o que nunca tivemos nem ousávamos querer, mas não se parecem nem um pouquinho com as encantadoras crianças-pardais, das quais eu fui uma.

Por onde voarão as crianças-pardais? Foram extintas ou ainda vivem no coração dos adultos que sobreviveram ao século XX?

Na aquarela da memória, eu as vejo todas. Belas, eternas, pobrezinhas! Sofredoras, encantadoras, agrestes e destemidas crianças-pardais!

Antonio Neto

Anúncios

Sobre antoniopneto

Professor de Língua Portuguesa, contista e cronista.
Esse post foi publicado em crônicas e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

6 respostas para O SUMIÇO DAS CRIANÇAS – PARDAIS

  1. Parabéns Rubem!
    Belíssima crônica, me fez viajar ao tempo de mocidade.
    Um grande abraço.

    Curtido por 1 pessoa

  2. Deise costa disse:

    Parabéns!!Adorei!

    Curtido por 1 pessoa

  3. Graça Carpes disse:

    Parabéns, Antonio Neto!
    *Em delicada linguagem, você desenvolve realidades do nosso Brasil.
    E emociona, sempre.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s