GRAÇA CARPES: O HUMANO FEMININO, A ATEMPORALIDADE E A UNIVERSALIDADE DA POESIA

A poesia de Graça Carpes tem a leveza da brisa, mas pode assumir a impetuosidade de um tufão. Não para destruir, e sim para renovar as possibilidades da escrita e provocar novas concepções sobre o que vivemos.

Graça Carpes é gaúcha – filha do Minuano – nascida na cidade de Rio Grande. Atualmente mora em um lugar que traduz bem a sua alma poética: Armação de Búzios, no Rio de Janeiro.

Poeta, atriz, clown, blogueira e produtora cultural, Graça Carpes passeia pelas possibilidades de expressão artística como as borboletas o fazem em um jardim. Em cada experiência, Carpes deixa um pouco de si: a leveza do viver.

A escrita de Carpes traz a plenitude do feminino, ligado ao universal e ao social. Sem nunca perder a ternura, como ensinava Che Guevara.

Brasileiríssima, sem deixar de ser universal. Atualíssima, sem deixar de ser atemporal. Expressão do feminino, com todas as nuances do humano. Graça Carpes é uma voz pós-moderna que precisa ser ouvida, lida, sentida e assimilada.

http://pulsarpoeticogcarpes.blogspot.com.br/

GLOBALIZAÇÃO

tempo de deslocação

fios de gentes escorrendo

horizontal

                 mente

sobre a terra

redonda e

       para além dos mares

caíram

      muros 
 
             fronteiras

                         bandeiras

cabeças

mãos olhos e dentes

avançam

          acenam

                     te miram

sorriem e sofrem

umedecidamente

tempo de reacomodação

fios de gentes escorrendo

ao teu coração

             – Graça Carpes

NOTÓRIO

as palavras despem-se na boca

e saltam

para o passeio livre e

branco da celulose

estendidas assim 

como em uma avenida em dia ensolarado

desfilam faceiras

com seus corpos de letras alongadas

as palavras

desenhando o sentido do que sou

desnudando-me por inteiro

expõe-me entre todos do mundo

Ah, pudesse eu vedar os lábios!

                         
                             – Graça Carpes

016

Anúncios

Sobre antoniopneto

Professor de Língua Portuguesa, contista e cronista.
Esse post foi publicado em Poesia e marcado , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s