DIEGO HAHN

532286_313429582144285_1285252554_n

Papai Noel não existe  

Não lembro bem do exato momento em que esse fato se deu – o que me parece estranho, já que é de certa forma um divisor de águas: agora você é um mocinho, não é mais tão ingênuo, não acredita mais em tudo que te dizem, sabe que há muito mais coisas por trás das coisas por trás de todas as coisas, e às vezes as pessoas só querem te iludir e…

Bem, enfim, você entendeu: é um divisor de águas. Pois, como dizia, não lembro bem do exato momento em que descobri – ou me contaram – que o bom velhinho não existe, ao menos não aquele bom velhinho, que bom velhinho de verdade mesmo é o vovô e ele não dirige um trenó voador e ele tem como animal de estimação um protocolar cãozinho e não um bando de renas. Não lembro, aliás, se descobri por conta própria ou se alguém me contou, mas não creio que tenha restado algum trauma da revelação; ao menos não tenho registrado na memória algum choque decorrente de tal descoberta…

Penso nisso, no entanto, agora, ao sentir essa melancolia, essa nostalgia, essa tristeza misturada com alegria inundar meu peito, ao flagrar o palhaço, ainda todo maquiado, fora do picadeiro, fumando um cigarro e esbravejando algum palavrão em protesto contra alguma coisa que o incomoda ou contra as agruras da vida em geral, com um tom de voz e uma carranca totalmente diversos daqueles impostados naqueles mágicos momentos de alguns instantes atrás no decorrer do show.

Esse palhaço fora do picadeiro é a vida crua e real. Ele é a revelação que Papai Noel não existe mais uma vez sendo jogada na minha cara, depois de tantos anos.

Não só ele, na verdade, como qualquer artista em geral, quando o vemos “do lado de fora”, falando de qualquer futilidade do cotidiano, como a gente, nos dá uma certa sensação de “pertencimento” ao mundo, uma sensação de que a nossa vida não tem nada de excepcionalmente banal – ela é banal como todas as outras, mesmo aquelas das estrelas – e ao mesmo tempo de desilusão.

Pois sim. No fim das contas, é isso: vivemos de ilusão.

É como ver o ídolo do nosso time indo embora depois de anos de clube e jogando no rival, beijando a camisa adversária como um dia beijou a nossa; é como ver os erros de gravação de um filme; é como perceber que talvez não haja nada além dos erros de gravação.

Mas ainda assim vivemos e continuamos nos alimentando de ilusão. Por mais racionais e duros que sejamos, invocamos vez em quando nos nossos íntimos aquele resquício de magia que tem um quê de infantilidade – ou vice-versa – lá no fundo do peito. Apesar de termos certeza de que tudo isso aqui se resume tão somente a células, carne e barro vagando a esmo pelo espaço, olhamos da janela para o céu estrelado na calada da noite e nos permitimos viajar longe por alguns instantes, solitariamente, em segredo, sem que ninguém mais saiba, naquela nossa nave particular, buscando por um algo mais lá nos confins do universo – ou mesmo em alguma outra dimensão só nossa.

E assim, quando voltamos, por mais desgastados, ranzinzas e céticos que sigamos, continuamos rindo do palhaço – e, de vez em quando, nos flagramos até mesmo dando uma olhada meio de relance, como quem não quer nada, para a chaminé em meio à ceia de Natal.

 

Papel de Parede Gratuito de Artes : Papai Noel - Telefone

 

Diego T. Hahn, nascido em Santa Maria/RS num inverno no final dos anos 70, é formado em Turismo, atualmente assessor de Cultura e Turismo da prefeitura de Nova Palma/RS e professor de língua italiana;

Foi premiado no Concurso Literário Felippe D´Oliveira (Santa Maria/RS) nos anos de 2011, 2012 e 2014; em 2013, no Concurso de Contos “Águas do Tijuco” (Ituiutaba/MG) e no Prêmio Sesc de Literatura (Brasília/DF), Crônicas “Rubem Braga”; e em 2015 no Festival de Literatura de Tupã/SP e no Concurso Literário Infantil Ignez Sofia Vargas (Santa Maria/RS).

Publicou de forma independente os livros de contos “Flashbacks de um mentiroso” (2012) e “Histórias reais de amigos imaginários (e vice-versa)” (2014), e integrou a coletânea de crônicas sobre o Internacional de Porto Alegre, “Minha camisa vermelha” (Editora Movimento/2014).

Toca o blog pseudo-literário “De Letra”: www.deletradj.blogspot.com.bre como não, não está em nenhuma rede social, seu contato é o arcaico e bom e-mail: diegohahn@hotmail.com

Anúncios

Sobre antoniopneto

Professor de Língua Portuguesa, contista e cronista.
Esse post foi publicado em crônicas e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para DIEGO HAHN

  1. Diego disse:

    Putz, que baita texto!!
    Épico!
    Parabéns para o autor!!
    rsssss…
    Valeu, Antonio!
    Abraço,
    Diego

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s